quarta-feira, dezembro 06, 2006

CONTADOURO

No âmbito das comemorações dos 250 anos da Região Demarcada do Douro, e com o apoio do Programa Leader +, a Associação Douro Histórico está a desenvolver, entre 4 e 7 de Dezembro, na cidade de Lamego, o projecto ContaDouro/ Contadoiros… A pequena grande história de um rio”.
Esta iniciativa visa consciencializar as crianças que frequentam o Pré-Escolar e 1º Ciclo do Ensino Básico para a importância da Região do Douro como Património Mundial, divulgando os usos, costumes e tradições típicas da região duriense, bem como a sua história, que tornou o Douro uma referência mundial. A jovem assistência que enche todos os dias o Salão Apostólico de Lamego tem acolhido com grande entusiasmo esta representação. Em simultâneo, a presença na cidade de diversas bibliotecas itinerantes das autarquias da região – “bibliomóveis” - ajuda a dinamizar a divulgação da cultura duriense e a promoção de hábitos de leitura.
Com a colaboração a nível local da Câmara Municipal de Lamego e dos agrupamentos escolares do município, o projecto ContaDouro/ Contadoiros conta, a partir de uma narração, a história do rio Douro numa sessão dramático-musical realizada pela Filandorra-Teatro do Nordeste que pretende dar uma perspectiva histórica da região, cruzando também as temáticas ambiental e patrimonial numa encenação com componentes lúdica e cenoplástica ajustadas ao universo da infância. Figuras míticas como as gravuras de Foz Côa, Duri (Deus romano do Douro), os Monjes de Cister, a Ferreirinha, o Marquês de Pombal, entre outros, imagens e lugares como São Leonardo de Galafura, o barco Rabelo, o comboio a carvão, marcam o encadeado da pequena grande história do rio. No final de cada sessão, é realizado um workshop de exploração do espectáculo nas vertentes estética e didáctica, motivando as escolas a realizar trabalhos de exploração do tema.
O projecto ContaDouro/ Contadoiros está a percorrer neste momento onze municípios que integram a Zona de Intervenção da Associação do Douro Histórico, num total de 53 espectáculos para um universo de 9500 alunos das escolas do Pré-Escolar e 1º Ciclo do Ensino Básico. FONTE: CML site oficial

10 comentários:

Anónimo disse...

quem dá um esmolinha ao ceguinho! e já agora ao meu cãozinho(wolf), que tambem é ceguinho! quem dá, quem dá?

contra-informaçao disse...

sem comentarios .....................continuam os insultos ..................
isto é cultura....este tipo de iniciativas são pertinentes ao desenvolvimento de todos nós e da nossa cidade!. urge cativar as crianças para o teatro.....ir ao teatro é saudavel!saber mais da nossa cultura e dos nossos costumes através do teatro é muto bom....o teatro é um bom veiculo para se chegar ao "saber". so tenho pena q não seja no nosso belo Teatro!

Anónimo disse...

já nao falta muito para ser no nosso teatro..

wolf disse...

Ó meu caro cãozinho das 12:42 tem cuidado porque qualquer dia tens uma ninhada em casa e não sabes quem é o paizinho...

Anónimo disse...

este wolf é um cão tinhoso

Anónimo disse...

Alguem que meta isto no meia laranja, nao e so dizer mal...

In JN de 1 de dezembro:

A cidade de Lamego vai beneficiar de uma parceria envolvendo verbas da autarquia e de privados, com vista à requalificação do espaço urbano, num valor que, numa primeira fase, atingirá os 15 milhões de euros.As duas principais zonas a requalificar são a do Largo da Feira, em pleno coração da cidade, num espaço que vai incluir um pavilhão multiusos (que albergará, também, a Expodouro), e um parque de estacionamento coberto para 250 veículos.

Na chamada zona alta da cidade, será recuperado o Jardim da República (Tabolado) em frente aos Paços do Concelho, que passará a ser uma praça, com pedonalização da área, e construção de um edifício técnico nas traseiras da Câmara (onde funcionam agora as oficinas), e ainda um segundo parque coberto, desta feita para 200 viaturas. Será dado, ainda, um novo enquadramento à igreja das Chagas, um dos inúmeros monumentos, que ganhará uma nova centralidade frontal na praça e um adro.

O processo já está lançado, via empresa municipal "Lamego ConVida", e segundo o presidente, Francisco Lopes, "será feita uma selecção de um parceiro privado, com um mínimo de quatro empresas. Depois será formada uma sociedade anónima com capitais mistos (públicos e privados), na qual o maior accionista será a "Lamego ConVida"". Com esta parceria, o autarca espera tirar dividendos "do know-how, da capacidade empreendedora e de realização dos privados, que, por seu lado, participarão na elaboração dos projectos, nas empreitadas de execução ou como entidades financiadoras, numa perspectiva também de futura gestão dos equipamentos, como o multiusos ou os parques de estacionamento".

Francisco Lopes diz que "este é apenas um dos primeiro passos para que Lamego recupere o protagonismo, a visibilidade, a centralidade e a importância económica que tem vindo a perder sucessivamente". O autarca considera que "a cidade precisa de um abanão, para combater algum desânimo e desalento instalados.

"A estratégia passa por recuperar rapidamente o atraso dos últimos 30 anos. Como há falta de recursos financeiros, esta foi a solução que encontramos, para começar. E pelos espaços públicos", refere o presidente.

Numa segunda fase, a "Lamego ConVida" irá desenvolver novas parcerias com vista à requalificação urbano, não só de outros espaços públicos, mas também privados.

Entretanto, já em marcha está a construção das novas piscinas cobertas aquecidas. Terá dois tanques, um deles com 25 metros de comprimento e 16,5 de largura, com oito pistas devidamente identificadas e que será vocacionado para competição. A capacidade total é de 200 pessoas. A obra vai custar, incluindo a comparticipação, 2,5 milhões de euros.

No próximo ano, a autarquia prevê inaugurar, também, um dos mais ansiados equipamentos da cidade o Teatro Ribeiro Conceição, uma obra de 5,5 milhões de euros.

Associações e mais jovens

Sem descurar a habitação social, as apostas passam também por uma zona industrial e algumas "pequenas" estruturas, como o Centro Cívico, que será construído no antigo matadouro. Trata-se de um edifício que vai albergar em condições dignas associações dos mais diversos sectores. Contempla apoio administrativo comum, salas polivalentes, um auditório e salas de reuniões.

A pensar nos mais novos, incluindo os cerca de mil alunos que frequentam o ensino superior, vai ser construída uma loja da juventude e o primeiro espaço Internet público de todo o município.

Anónimo disse...

Só tenho a dizer uma coisa... cada vez menos tenho vontade de viver em Lamego. Existe uma ninhada de ricos endinheirados que o que ganham é paara investir fora do concelho. Portanto a maior parte do capital gerado no concelho foge! Sendo assim, o futuro só não vê quem não quer!

Anónimo disse...

Lê melhor o comentário anterior...

faz-me rir disse...

Fechai o tasco...

Anónimo disse...

as obras estão projectadas, melhor do k nada! mas é preciso ter cuidado para não perdermos os serviços, a esola superior de educação não parece aguentar-se por muito mais tempo... no Hospital, amaternidade já foi... as urgencias vão ser desqualificadas... a PSP a ameaçar partir... É preciso Agir!