quinta-feira, fevereiro 01, 2007

ENSINO SUPERIOR EM LAMEGO, QUE FUTURO?

O Ensino Superior Politécnico em Lamego deu os primeiros passos em 1987 com a criação do Pólo Educacional de Lamego, da Escola Superior de Educação de Viseu. A Escola Superior de Tecnologia e Gestão (ESTGL) entrou em funcionamento em 2000/2001. Apesar do esforço dos responsáveis educacionais para manter o nível de qualidade de ensino, certo é que, as instalações continuam provisórias e assiste-se à falta de equipamentos de apoio social aos alunos.

A criação de um Campus Politécnico em Lamego já mereceu o interesse das diferentes instituições, directa e indirectamente ligadas à questão do Ensino Superior no concelho. No caso do Pólo Educacional as instalações são provisórias, e apesar das obras de requalificação da antiga Escola do Magistério Primário, a ESTGL já atingiu o seu limite máximo de ocupação. Segundo Antas de Barros, presidente do Instituto Politécnico (IPV), “o maior problema de Lamego coloca-se ao nível das instalações, nomeadamente, no âmbito dos serviços sociais”, tais como cantina, residência de estudantes e laboratórios.
No entanto, este responsável adiantou que “o instituto e autarquia desenvolvem esforços para procurar soluções”, frisando que o Ensino Superior em Lamego é penalizado pelo facto de “as instalações serem curtas para os alunos que desejam aqui prosseguir os estudos”, referindo ainda “os cursos mais penalizados são os que exigem laboratórios”. A título de exemplo, a ESTGL conheceu um crescimento exponencial, passando de 61 alunos, à data do seu arranque, para os actuais 625. Um movimento estudantil que ‘esbarra’ nas falta de salas de aulas, obrigando mesmo aos alunos de Serviço Social terem aulas no Pólo Educacional. Ainda assim, e perante este quadro, Antas de Barros assume que “não está nos nossos horizontes encerrar, a não ser que se verificassem cumulativamente uma série de situações difíceis de perceber à distância”.
Câmara apoia ensino superior
O presidente da Câmara de Lamego, Francisco Lopes, garantiu que “há todo o interesse em desenvolver o ensino superior”, nomeadamente a constituição de um Campus Politécnico, para o qual a autarquia se assume como parceira. “Temos previstos terrenos para a construção de raiz ou a remodelação de um edifício” - não revelou a sua localização - ainda que “tudo dependerá da disponibilidade do governo e do IPV”. O autarca acredita que o concelho tem capacidade de atracção, em especial de estudantes, nomeadamente com a construção de equipamentos culturais e desportivos, “muito importantes quer para a fixação da população, quer para os movimentos estudantis”.
FONTE: Lamego Hoje online

16 comentários:

Anónimo disse...

Esperamos que este presidente continue o trabalho notável dos seus dois antecessores, Rui Valadares e José António Santos, no que respeita ao Ensino Superior em Lamego.

miccoli disse...

encaro o comentario do anonimo como uma belíssima ironia porém que mt atrasou a nossa cidade de lamego.Aliás deve ser a cidade mais parada no tempo do país...apenas desde á 1 ano para cá vamos evoluindo mas agora o caminho a percorrer é enorme graças aos anos parados do partido socialista!!!

Anónimo disse...

O futuro poderia ser outro se se tivessem criado as condições em tempo útil. Agora resta-nos tentar recuperar o tempo perdido de modo a instalar nas melhores condições os cursos que cá temos com a visão suficiententemente alargada para que outros se possam por cá estabelecer.

ninja disse...

com este presidente não tenho duvidas k o campus vai mesmo avançar! espero que seja nakela quinta ao lado do pingo doce.

Anónimo disse...

Muita parra e pouca uva.
Só treta.

E quem paga ???

Anónimo disse...

É um investimento com grande retorno para a cidade, pague que pagar...

Anónimo disse...

Ensino superior em Lamego, com todo o mérito das Câmaras PS.

Anónimo disse...

Claro, por isso nesse tempo desapareceu de Lamego a Moderna e a Portucalense, além de que o ensino superior precisa desde o inicio de um novo edifício!

Anónimo disse...

peço desculpa ao anónimo anterior.
não sabia que o ensino superior em lamego se devia a este executivo...

Anónimo disse...

Não foi isso que eu disse. Leia melhor, volto a repetir:

"Claro, por isso nesse tempo desapareceu de Lamego a Moderna e a Portucalense, além de que o ensino superior precisa desde o inicio de um novo edifício!"

O que eu disse é mentira?

Anónimo disse...

É para gente como o anónimo anterior que serve este blog ?
Vergonha!!!

prof.Zé António(zonaJ) disse...

Boas,enquanto houver pessoas como estas na associaçao da escola de gestao so se prova que nao vale a pena investir em lamego

"El Comandante" disse...

Pensava que qualquer comentário aqui feito em relação a este assunto/problema, seria no sentido de se discutir de forma limpa e concreta no âmbito de se debater uma possível resolução para o mesmo. Eu acredito que esta cidade actualmente sem os estudantes do Ensino Superior, passaria por mais dificuldades ainda a nível do seu desenvolvimento económico-social. Isto porque sem as casas alugadas, sem as despesas que os estudantes fazem nas diversas superfícies comerciais da cidade, sem a própria alegria que transbordam pelas nossas ruas, isto passaria a cidade dormitório num estalar de dedos. Mas não, continuamos a assistir a trocas de palavras de cariz pessoal, como já é hábito nas mentes mesquinhas e invejosas desta cidade, em vez de realmente se discutir a real questão do problema! Apurar de quem é ou foi a culpa da situação estar como está acho que em nada vai ajudar a resolver o problema...
Portanto, deixem-se lá de merdas e comecem a olhar para as coisas pela parte que mais importa realmente!

Anónimo disse...

Mais uma vez os mesmos cromos.
Todos sabemos que ainda existe ensino superior em lamego,ainda, mas se a curto prazo não forem criadas condições para a sua continuação acredito bem que também se vá embora à semelhança de outros serviços.E quem perde mais um a vez é a cidade e os lamecenses, portanto deixem-se de tretas quer sejam da oposição ou não porque todos foram eleitos pelo voto do povo com o intuito de defender os seus interesses e o desenvolvimento local, ou não?

Anónimo disse...

Por não existir Ensino Superior em Lamego aquando da minha licenciatura, tive de ir estudar para fora da minha terra natal. Licenciei-me em Medicina em Coimbra. Quando surge então e começa a fazer parte do panoramo nacional, orgulhoso fiquei. A ESE e a ESTGL nasceram. Devido a razões profissionais encontro-me fora de Lamego há quase 15 anos, sou médico no Amadora-Sintra. Agora, estupefacto estou ao ver que se corre o risco de se perder uma mais valia da nossa terra. O que se passa? de quem é a culpa?

Anónimo disse...

Conheço tão bem esta conversa dos dois protagonistas desta história... O Dr João Pedro Barros vai enviando a responsabilidades para a autarquia, mas vai construindo um império em Viseu. O presidente da Camara vai dizer que está estudar os terrenos, o apoio do governo etc etc etc mas vai construindo multiusos... A ESTGL irá manter-se-á graças aos que lá trabalham. Até quando? ...