domingo, junho 15, 2008

NOVO CANIL MUNICIPAL DE LAMEGO

A câmara municipal de Lamego vai construir um novo canil até ao final deste ano. A obra já adjudicada, vai ficar localizada nas imediações do parque biológico da Serra das Meadas e está orçada em 150 mil euros.

O novo canil terá 18 jaulas, com capacidade para 80 animais. Mais do dobro em relação ao actual canil. A ideia é criar as condições necessárias para receber os animais abandonados, já que o actual "está desajustado." O Vereador do Pelouro do Ambiente da Câmara da Lamego Manuel Coutinho, sublinha a "preocupação da autarquia em reunir neste espaço as condições para receber todos os animais". Manuel Coutinho, adianta que o novo canil vai "albergar os animais recolhidos nos municípios vizinhos da Régua, Alijó, Armamar, Castro Daire e Cinfães."

Outra novidade prende-se com a possibilidade de "estadia dos cães, em regime de pensão completa". O serviço de "hotel para cães, pretende evitar o abandono" a que alguns animais estão sujeitos em determinado período do ano". O novo canil municipal pretende ser ainda um espaço que possibilite a adopção de animais, "na semana passada foram entregues 3 animais para adopção", reforça o vereador.

As acções da Câmara Municipal, pretendem contribuir para " manter os espaços limpos de dejectos de animais" e para isso o município construiu casas de banho para cães. Trata-se de 3 sanitários instaladas "no bairro da Vista Alegre, Bairro de S. Vicente e na praça dr. Fernando Amaral". O autarca com o pelouro do ambiente Manuel Coutinho, adianta que "para além destas casas de banho, o município de Lamego distribuiu ainda 18 dispensadores". Os dispensadores, "são locais de recolha de sacos próprios para dejectos de animais, que os donos recolhem e colocam em depósito apropriado".

A responsável pelo cantinho dos animais em Viseu, Ana Maria Vaz, está "satisfeita" com "mais uma unidade de apoio aos animais abandonados" e adianta que este tipo de notícias contribui "para diversificar a oferta e pode suavizar a crescente entrada de animais" noutros canis. Ana Maria Vaz desconfia da utilidade das casas de banho para cães, "já que as pessoas não têm tempo para levar os animais ao WC sempre que necessário". Quanto aos dispensadores, distribuídos na cidade de Lamego, concorda que "podem ser muito úteis por estarem à mão." Relativamente ao hotel canino, Ana Maria Vaz afirma que "pode ser economicamente viável e contribuir para baixar os preços de mercado neste tipo de serviços". Os preços de pernoita destes serviços são em média para o cão pequeno de 2 euros, de porte médio 4 euros e grande porte 6 euros. FONTE: JORNAL DO CENTRO

11 comentários:

Lamego - Douro...o blog disse...

http://www.lamegodouro.blogspot.com

totodasbersas disse...

Sem Abrigo há mais de 30 anos é dono de um Banco e não tem onde dormir.

Eulálio Tristevida, homem só no mundo, sem família, sem dinheiro e sem amigos, também conhecido por cão, gato, pardal e pirilampo do dia por ninguém se aperceber da sua existência, apesar de ser o dono do Banco que ele viu nascer jurando que um dia seria dele, é um Sem-Abrigo amargurado que amaldiçoa a primeira noite investida naquele espaço. O Fisco atento às Mais-Valias dos desabrigados e numa atitude da mais comovente solidariedade oferece o abrigo do 9º Código do IRS?!... “Tenho seguido a filosofia de investimento merda é dinheiro, talvez por ouvir dizer a quem não o tinha que o dinheiro é uma merda, por isso, dinheiro era o que não faltava no meu Banco pelo que ninguém parava por lá,” confessou E. Tristevida que foi ainda mais longe ao afirmar que aquilo era chegar e andar porque tempo é dinheiro e o chulé era uma poderosa arma de guerra, considerada a mais agressiva das instituições Bancárias, sem preferência por raças, credos ou mesmo sexo, atacando sem dó nem piedade quem não se aguentasse até que fizesse um depósito para se livrar da praga. Ao fim de meia dúzia de anos o Banco de Tristevida era mais conhecido do que todos os sanitários públicos da região. Agora o pior de tudo, é que o Município quer expropriar-me aludindo invasão de propriedade ao contrário das finanças que me acusam de evasão fiscal ameaçando levar aquele imóvel a hasta pública. Mas E.Tristevida, já invocou o ARTIGO 1289º, e como o uso Capião tem efeitos retroactivos à data do início da posse, faz dele O dono do dito Banco já que o Município nunca reivindicou a posse daquele espaço onde “Já há uns 30 anos que eu vivo Com o Douro Hoje a fazer de lençol por ser tão em branco e o Diário Económico a fazer de coberta ou cobertor da Serra porque os invernos são muito frios. Assim o único imóvel que Tristevida tem, é mesmo só o seu Banco, mas nunca lhe tinha passado pela cabeça que o fisco o confundisse com um Banqueiro qualquer. “ Parece que me confundiram com um tal de Jardim que tinha um Banco mas eu só tenho é um Banco de Jardim!”Mas, como parece que vão construir uns apartamentos de luxo lá para a vizinhança do Parque Biológico da Serra das Meadas, estou a pensar mudar-me para o Banco em frente, não vá o Diabo tecê-las e arranjarem-me lá um condomínio com um bilhete só de ida para o hotel “Todos os Cães Merecem o Céu”.

salimao disse...

Muito Bem!

salimao disse...

Eu sou o salimao e este toto é um um filho da mamãezinha grossão e o cara não deve enxergar-se não.

cergal disse...

Agora apareceu este salimão, pela tanga que lança deve ser tonto, mas pronto, julga-se engraçado. Já não chegava o “toto”, que não diz nada de útil, isto aparece a cada um! Seria óptimo meter estes totós no canil, sim, assim, já não andariam por aí, a espalhar matéria fecal e rentabilizava-se o dinheiro investido.
Mas o que mais importa, é banir de uma vez por todas com os dejectos das ruas, pois a falta de urbanidade por parte de algumas pessoas que se julgam no direito de trazer os animaizinhos para a rua e assistem impávidos à degradação de um espaço, que devia só pertencer a quem cumpre com as normas de urbanidade! É a maior aberração. As pessoas julgarem-se no direito de retirar o prazer àquelas outras, de poderem beneficiar da natureza sem estar conspurcada. Perdoem-me o radicalismo, mas pessoas que assim procedem, era mandá-las tirar formação de boas maneiras. Frequentar o mesmo espaço que os restantes seres humanos é que não! Os animaizinhos por vezes atentam contra a integridade física das pessoas. Felizmente vivo num lugar onde estas coisas já são tratadas de uma forma mais séria. Contudo essa terra, que se chama Lamego, também é muito minha.

salimao disse...

Muito bem

salimao disse...

Eu sou o salimao e você é o cergal, para quem não vive em lamego tá mal não. Animaizinhos aberração, urbanidade em degradação, cergal está bom da cabeça não, precisa de xecar o cabeção, seu perfil encontrei no chão de anónimo sem vocação para xingué de malhação.
E na post que eu vi sua linguagem é de sissi.

cergal disse...

O Salimão, vem ao blogue para ser Macacão;
Aldrabão;
Burlão;
Trapalhão;
Mijão;
Distracção, apareces para divertir, és uma aberração, Com a ilusão, fazes-te brincalhão. Vai ver se chove, não vês que não tens estilo? Vens com as tuas boçalidades, inoportunas. O tema em discussão é sério, não se compadece com os teus delírios. Será que tem que haver sempre estes bobos para entreter os espíritos. Faz-te à vida!...

salimao disse...

muito bem

salimao disse...

Eu sou o salimao e aqui vai um caso de cocó no sapatão!

Mulher processa cidade porque filha pisou cocó.

Uma mulher de Nova York decidiu processar a cidade de Norwalk, no estado de Connecticut, em 100 dólares alegando que o passeio da sua família ao Aquário Marítimo foi prejudicado devido a um dejecto canino que estava no passeio. Segundo o site G1, Kelly DeBrocky ficou muito indignada com o facto de a sua filha ter pisado o dito dejecto, o que para além de lhe ter danificado o calçado, arruinou por completo o convívio familiar. Kelly pretende ser recompensada pelos danos que sofreu e, por isso, exigiu 54 dólares para substituir os sapatos da filha, mais 46 dólares referentes aos bilhetes que pagou para visitar o Aquário mais a conta do parque de estacionamento. O advogado da cidade de Norwalk afirmou que o pedido de indemnização não será satisfeito porque, segundo o próprio, «porcarias acontecem».

Eu sou o salimao que vê muita porcaria acontecendo e não falo de cocó canino não!

cergal disse...

Ó Salimão, vai apanhar cocó de cão e deixa de pôr palavrão, ou és paspalhão?